Noite

Plúmbeo era o céu, mas eis que sobre todo o cinzento ergueu-se o negro véu. A noite, com suas pinceladas de brilho, carregava toda a tristeza de um dia chuvoso, e as gotas de chuva acumulavam-se em poças aqui e ali, lá e acolá. 
As janelas mascaravam cortinas sóbrias e as pessoas por detrás delas, que observavam o caminho das gotas de chuva no vidro, e interpretavam. Qualquer papel, pranto ou acalanto. Qualquer poesia não lida se revertia em dor e as lidas formavam feridas que não cicatrizavam, deixavam marca através da cútis que não se curava. Não se renovava como faziam as noites todos os dias, os dias todas as noites.
A lua outrora holofote escondia-se através da bruma espessa, toda de água de pranto escorrido por faces alheias. Toda a água contida em pálpebras surradas esvaia-se em segundos e, uma vez escorrendo na face, juntava-se a milhões na noite plena de inverno. 
Acontece que a noite é bela poetisa de segredos e sofrimentos. E toda a sofreguidão por dias melhores que os cinzentos se acumula em sonhos, escondidos na noite polida e pronta para o nascer do sol.

6 comentários:

Danielle Parra Victorino disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thami disse...

Que lindo texto! Gostei das palavras escolhidas, me fizeram voar aqui na imaginação e sentir a sutileza de cada detalhe. Adorei!

Bitocas!
www.likeparadise.com.br

Emily Caroline disse...

Palavras encantadoras, Ana. Carregadas de emoções, assim como as nuvens. Você escreve bem, guria. Continue. Lembrei agora de um poema do Paulo Leminski que eu adoro, mesmo:

a noite - enorme,
tudo dorme,
menos teu nome


Grande beijo!
chavecriativa

Ana Beatriz Leiroz disse...

Danielle, perdão pela demora em responder! Obrigada demais por essa lindeza que escreveu. Espero que sempre volte e goste daqui!

Ana Beatriz Leiroz disse...

Oi, Thami! Obrigada mesmo, é sempre gratificante ler algo assim! Beijos!

Ana Beatriz Leiroz disse...

Estou tentando persistir nessa de escrever e é sempre bom ver retorno. Muito obrigada!
Ahhhhh, eu adoro o Leminski. Com tão poucas palavras ele causa um brainstorm incrível em mim!
Volte sempre aqui!