Três mulheres que você não gostaria de conhecer



Hoje o assunto é mais pesado e curiosíssimo!

É comum ouvirmos histórias aterrorizantes sobre serial killers. Há filmes, séries, livros, revistas e diversos outros modos de conhecermos sobre as vidas de pessoas que utilizaram a inteligência para causar o mal, matando diversas pessoas por interesse ou, mais normalmente, pelo puro prazer obtido com o assassínio.

Há diversos exemplos conhecidos de homens, como Jack, o estripador; Zodíaco; e Bufallo Bill (sim, você deve ser lembrar desse assassino em série do filme O silêncio dos inocentes com o mestre do canibalismo Hannibal). Mas e quando a morte vem pelas mãos de uma mulher?

Então conheça agora a história de três serial killers das antigas e nunca se inspire em nenhuma delas!

3- Delphine LaLaurie

(Arrepios, cruzes!)
Se você está assistindo a nova temporada de American Horror Story (Coven), já sabe de quem eu estou falando. Mas você sabia que a madame LaLaurie realmente existiu?
Delphine LaLaurie é uma conhecida serial killer dos Estados Unidos do século XIX, mais precisamente de Nova Orleans. Em uma sociedade escravocrata, a madame tinha o costume de praticar diversas maldades com os negros que possuía. Coisas que iam desde a retirada do pâncreas da pessoa a frio para utilizá-lo em tratamentos de beleza até a quebra e substituição de todos os membros de uma mesma pessoa, criando um “caranguejo humano”.
LaLaurie era o que poderia ser conhecido hoje como uma socialite. Após dois casamentos mal sucedidos, já que seus maridos anteriores morreram pouco tempo depois de casados, Delphine casou-se com médico LaLaurie e ambos foram morar numa conhecida casa de Nova Orleans.

A madame foi responsável, segundo dizem, pela morte de mais de 100 escravos negros na época. O curioso é que ela nunca foi pega, já que fugiu depois de um incêndio misterioso em sua casa. Foi este o momento em que descobriram as atrocidades cometidas por LaLaurie em seu sótão. A esta altura, a socialite já estava muito longe de Nova Orleans.


2: Isabel Bathory


Essa mulher é mais famosa como “A Condessa Sangrenta“. A húngara com obsessões inexplicáveis pela beleza viveu no século XVI e costumava usar sangue de virgens para seus tratamentos de beleza: utilizava como creme e até como bebida de propriedades mágicas o fluido corporal. Descobriu isso após espancar uma menina que penteava seus cabelos ao ver que o sangue em suas mãos aparentemente deixava a pele mais jovem.

Foi casada com um militar que vivia muito tempo afastado por conta de guerras, fazendo com que o controle da casa estivesse nas suas mãos. Disciplinava cruelmente seus empregados, e quem fosse de encontro ao que dizia poderia ter agulhas inseridas debaixo das unhas ou nos mamilos (imaginem a dor). Durante o longo inverno europeu ela divertia-se fazendo seus empregados andarem nus sobre a neve, com baldes de água gelada sendo jogados neles periodicamente até que morressem congelados. Seu marido também era sádico e juntos os dois colocavam mel sobre meninas empregadas e deixavam que insetos as atacassem, matando-as.

1: Belle Gunness



(Mais arrepios!)

Essa mulher tem uma história tão detalhada, tão fria e tão calculista que é de apavorar! Ela matou todos os seus maridos, todos os seus filhos, incendiou casas e forjou a própria morte com um único objetivo: conseguir sacar o dinheiro do seguro.

Norueguesa, Belle Gunness viveu nos Estados Unidos do século XIX. Seus maridos sempre morreram de forma suspeita e seus filhos, por também possuírem seguros de vida, apareceram mortos também de forma suspeita. O que há de mais curioso em sua história é quando Gunness desaparece definitivamente. Ela possuía um comparsa, Ray Lamphere. Ele foi acusado de incendiar a casa onde Gunness morava com três filhos. Três corpos de crianças (identificados, sim, como suas crianças) foram encontrados ao lado de um corpo decapitado. A polícia suspeitava que fosse de Belle. Porém ao compararem as medidas do corpo encontrado com as anotações das costureiras que faziam os vestidos da mulher, descobriram que havia muita disparidade. Não era Belle Gunness. Além disso, a análise dos órgãos internos do corpo encontrado mostrou que a causa mortis fora, na verdade, envenenamento. Então o dentista da norueguesa disse que se a arcada dentária do cadáver fosse compatível às informações que tinha da mulher, seria dela o corpo provavelmente. Numa investigação, encontraram dois dentes que seriam de Belle (um de ouro e um de porcelana). O cadáver fora finalmente tido como o da serial killer, e o caso fechado.

Pouco tempo depois descobriu-se na fazenda em que a mulher morada uma série de covas, onde mais de 40 corpos foram encontrados (muitos de crianças, supostamente filhas de Belle). Muitos cadáveres não chegaram a ser identificados. Então houve uma descoberta que reacendeu o caso na sociedade americana da época: os dentes encontrados foram falsas pistas plantadas já que dentes de ouro e porcelana não resistiriam a um calor como o que aconteceu no incêndio.

Ray Lamphere foi condenado à morte, dizendo nas últimas horas de vida que Belle Gunness ainda estava viva e que era ela a real assassina (ele apenas um comparsa e incendiário). Ele disse que o corpo encontrado era de uma camareira de um hotel da área. Sua cabeça fora jogada por Belle num pântano e o corpo vestido com suas roupas, deixando suas próteses dentárias junto a ele. Ela matou, segundo estimativas, 42 homens que a procuraram para juntar fortunas, além de seus filhos e seus maridos. Alguns corpos ela costurava ou então moía para servir de alimento aos animais da fazenda.

Em 1931 disseram ser Belle uma fazendeira, com paradeiro no Mississipi e sob outro nome. Também neste ano uma mulher chamada Ester Carlson foi acusada de assassinar um homem por conta de sua fortuna. Esta mulher logo após fora encontrada morta a espera do julgamento. Hoje em dia há uma série de pesquisas para determinar através do DNA de descendentes de parentes de Belle se o corpo de Ester é, na verdade, o de Belle Gunness.

Gostaram do post? Têm histórias a compartilhar? Comentem já!

16 comentários:

Camila Balbino disse...

Credo e que horror! Fiquei chocada com as histórias dessas mulheres. Com certeza não gostaria de conhece-las. Fico triste pelas pessoas inocentes que foram vitimas.

Camila Balbino disse...

Bom, acabei de conhecer o blog, estou amando! Já estou seguindo também e pretendo estar sempre acompanhando. Beijos, linda.

Karoline Teodoro disse...

Minha nossa :O
super frias e a ultima é pior, pois é super calculista
as outras mataram por causa de beleza? MINHA NOSSA!! Texto super interessante apesar de arrepiar wkepowkewq

http://apequenaka.blogspot.com.br/

Ana Beatriz Leiroz disse...

Camila, muito obrigada por seguir e acompanhar o blog!
Eu fiquei pensando nas vítimas também e acho que é a pior parte do texto: pensar em quem morreu pelas mãos dessas loucas!

Ana Beatriz Leiroz disse...

Também a acho a pior de todas elas e essa foto me dá muito medo HAHAH
Obrigada por ler e comentar!

Gisele disse...

Que horror a historias dessas mulheres e com toda certeza nunca queria conhecer nenhuma das 3, principalmente a Belle Gunness.

http://impossibilitar.blogspot.com.br/

Ianca Loureiro disse...

ARMARIA que medo haha Bom,eu tenho você no facebook mas não conhecia o blog,daí vim conferir :D
Bju
www.naocliche.com

Amanda Montt disse...

LALAURIE EXISTIU?????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
MEU DEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEUS
NÃO VOU DORMIR A NOITE

Amanda Montt disse...

QUE LOUCA

VOU CHORAR

Ana Beatriz Leiroz disse...

Medão que eu tive. Sou fascinada por histórias assim, mas confesso que ao passar pelo post sempre evito olhar pra Belle com essa cara de doida! Obrigada por ter vindo aqui!

Ana Beatriz Leiroz disse...

EXISTIU! Eu escrevi isso depois que descobri que Lalaurie realmente existiu e fiquei chocada por dias, então veio a ideia do post.

Karol Oliveira disse...

Li esse post aqui há alguns dias, mas nem deu pra eu comentar, por isso voltei aqui somente para dizer: ADOREI!111 HUAUHAUHAHh
Adoro esses assuntos. LaLaurie era louca, gente, que horror! Embora que em Coven eu gostei bastante dela. New Orleans parece que têm muita coisa sobrenatural, né? Em The Originals, spin-off de Vampire Diaries, fala muito em vampiros e bruxas lá. A segunda eu conhecia porque uma vez tinha um flog sobre vampiros (hahaha socorro) e muitas pessoas consideravam ela como vampira e tal. Meio nada a ver a coisa de vampiro, mas achei ela muito interessante. E a última: ..................medo!
Adoro histórias assim. Muito interessante mesmo o post! Faça mais no estilo, por favor!

Beijos,
http://www.infinitanowhere.com/

Ana Beatriz Leiroz disse...

Oi, Karol! Obrigada por ter lembrado e retornado aqui para comentar! Sempre é incrível esse tipo de retorno, acho que você entende.
Realmente em Nova Orleans tem alguma coisa haha Vários filmes de terror baseados em histórias reais se passam lá e enquanto pesquisava para o post, vi muitas histórias macabras do lugar. Como eu sou um pouquinho (muito) curiosa, acho que vou algum dia visitar só pra saber como é.
A Isabel é realmente conhecida como vampira nesse meio e deveria haver algo de muito esquisito nessa história que não veio a público. É realmente assustador. A que me dá mais medo, de longe, é a Belle por ser tão fria e calculista!

Estou preparando posts com 3 serial-killers homens. Quando eu voltar de SC libero tudo! Beijos!

Andressa Costa disse...

Tá vou fingir que não gostei de ler todas essas coisas macabras....

Andressa Costa disse...

Tá vou fingir que não gostei de ler todas essas coisas macabras....

Ana Beatriz Leiroz disse...

É uma espécie de guilty pleasure haha Ainda bem que gostou, Andressa! Saudades de você, já que você não foi na sua formatura!